Sabe aquela marca na madeira quando dela se tira um prego ?

Sabe aquela marca na madeira quando dela se tira um prego ?

Pois bem, não é fácil, mas é assim que fica a pessoa que sofre com as reações bipolares de outros, nas oscilações de humor contínuas as marcas são visíveis e a madeira (alma) poderá nunca mais ser a mesma.

Rotten wood with holes the made larvae of bugs

É comum que falemos sobre a bipolaridade em apoio ao “doente” e lógico que isso precisa ser levado a sério e dar a atenção devida, porém é preciso tambem levar em consideração a pessoa que sofrem com as ações do agente bipolar. Senti  falta de tratar deste assunto por outra vertente oposta.

Logo após a batida do martelo, e ter gestualizado o intento oscilante, a pessoa bipolar tem o arrependimento ou talvez não seja nem arrependimento, mas sim o momento de oscilação entre sua irritação e sua normalidade e o desejo de tentar reverter o quadro e manter a paz que havia sido inquietada pela ação inesperada e gratuita.

Quem está vivendo o bom momento com quem tem esta oscilação em alguns casos já estão acostumado e usam um ditado popular que particularmente não concordo, mas que para este caso é bem apropriado:

“Nada é tão ruim, que não possa piorar”!

Parece que tudo está indo bem, você até ensaia uns elogios inesperados, apesar de lá dentro a vontade de declarar que: “está muito bom para ser verdade”, mas ainda assim continua e se entrega de vez ao momento tão bom de estranho, mas logo vem a bomba.

Por mais que você se esforce haverá situações em que alguma coisa irá te desestabilizar, você me perguntaria qual é o segredo para melhor lidar com isso, e com toda sinceridade eu diria:

Não sei, quando souber me fale!

 

bipolar_link

Contudo, em Cristo aprendemos que com nossa humanidade em alta, na luta diária para mortificar a carne lembremos que nesta horas é que permitimos deixar prevalecer aquilo que aprendemos com Jesus no evangelho, tendo em nós o mesmo sentimento que houve nele reagindo com amor, aquele amor que tudo suporta até que percebamos por meio de nosso exemplo que conseguimos no mínimo constranger  o agressor “problemático” a refletir, e convertermos um ao outro, sei que não sairemos vitoriosos sempre nessa , mas para este caso específico é uma luta que vencer nem sempre é o melhor, por isso até onde você puder , se esforce para perder não reagindo como não gostaria de reagir quando confrontado, vamos nessa ?

 

Fernando Macedo

TAGS: , ,

0 Comentários



Deixe o seu comentário.

Deixe seu comentário